segunda-feira, julho 11, 2005

notas imprecisas (I): liberdade de direita e liberdade de esquerda

Ainda em digestão da primeira das noites à direira, cumpre-me alongar algumas notas imprecisas que me tingiram de modo particular a consciência política.

A primeira tem a ver com a questão levantada pela Sofia Galvão relativamente ao diferente entendimento que a direita e a esquerda têm da liberdade - entendimento esse em que se funda ou compromete numa subsequente ideologia liberal. Disse Sofia Galvão no Nicola que a liberdade da esquerda é, em oposição à liberdade de direita, uma liberdade contractualizada.

Embora Vicente Jorge Silva tenha saltado (no seu característico jeito oratório muito pantomimizado) em rejeição absoluta desta observação - é um facto que a noção de liberdade entendida à esquerda é maioritariamente a liberdade que defende as maiorias e as instituições, em deterimento da liberdade individual. Assume a esquerda que a liberdade laboral, por exemplo, é a liberdade conceptualizada pelos sindicatos - fundamentalmente contractualizada.


Aquilo que distingue a liberdade de direita e a liberdade de esquerda e por isso o liberalismo de direita e o liberalismo de esquerda - ou mesmo a direita e a própria esquerda - é, numa prespectiva genealógica, o diferente entendimento da relação entre o indivíduo e a colectividade. Enquanto que a direita tem no indivíduo o enfoque da liberdade, a esquerda entende que a liberdade individual se secundariza à liberdade colectiva - numa prespectiva de que o benefício da colectividade beneficia, pelo menos em última instância, o indivíduo.

Enquanto a esquerda fizer assentar neste modelo de liberdade a sua ideologia política mais basilar não haverá nunca lugar a um verdadeiro liberalismo de ângulo de esquerda, porquanto esta concepção se esgota numa incoerência autofágica: a supletividade do indivíduo face à colectividade é, em si, a maior privação de liberdade.

1 Comments:

At 12:24 da manhã, Blogger PP said...

Nuno pareces os meus livros de filosofia do 11º! Perdi-me por volta da 3ª palavra mas como apreensão global que retive do post é que os comunistas são uns sacanas duns ditadores que querem nacionalizar o Sol para então o dividir quando todos sabemos que o sol quando nasce é logo naquele instante para todos, temos é que nos saber bronzear!
De qualquer maneira acho que está um extraordinário post político.
Cumps

 

Enviar um comentário

<< Home