quinta-feira, junho 23, 2005

confesso que às vezes me tento em ser ordinário

frequentemente - na esfera íntima a que os limites da boa educação me obrigam - para com o ministro Correia de Campos. A mais recente enormidade foi a forma indigente com que se referiu à responsabilidade dos profissionais de saúde - nomeadamente por uma pretensa falta de cuidados primários de higiene - pela elevada prevalência de infecções nosocomiais no Hospital de São João, no Porto.

É-nos óbvio (a quem lida com o problema das infecções hospitalares) que existe em muitos casos um associação entre a transmissão dos agentes infecciosos e o pessoal hospitalar - seja através das mãos, das batas, do estetoscópio, das canetas que viajam nos bolsos, etc. O que se não admite - em absoluto - é a leviandade com que o Ministro da Saúde abordou o problema e, mais, a irresponsabilidade da publicitação gratuita de um facto que, por descontextualizado da lógica de um estudo epidemiológico global, poderá originar na população servida pelo HSJ um grave sentimento de insegurança relativametne à qualidade dos serviços hospitalares prestados.

Confesso que às vezes me tento em ser ordinário, mas com felicidade acho n'a cor das avestruzes modernas o benefício manifesto de exercitar o raciocínio benévolo que me vai contendo.

2 Comments:

At 11:48 da manhã, Blogger LCV said...

No caso, o que o Ministro precisava era de um paleativo que lhe controlasse a verborreia compulsiva de que padece notoriamente.

 
At 12:09 da tarde, Blogger O Ódiador said...

Posso ser ordinário por ti?(é que é a minha especialidade):

- O gajo que vá à merda mais "o brincar a ser ministro da Saúde"!

Passem no meu blog que nos próximos tempos hei-de fazer um post sobre esse gajo e os outros amigos dele lád a política.
Xau

 

Enviar um comentário

<< Home